Nova “vacina” contra o câncer da próstata

Uma nova pequena pesquisa reacende a esperança de aumentar o arsenal à nossa disposição para enfrentar o câncer da próstata. Porém, não será em breve.

É uma “vacina” nova. Visa fortalecer e direcionar melhor a resposta do nosso sistema imune contra as células cancerosas.

A vacina conteve o avanço do tumor em 77% dos pacientes (três em cada quatro). Do total, 45% tiveram uma redução do tumor.

Porém, a amostra é muito pequena: 22 pacientes.

No fim do experimento, 17 dos 22 pacientes conseguiram estabilizar o câncer. Três em quatro, repetindo.

Muitos medicamentos são propostos, um número menor chega a ser testado e um número bem menor é aprovado e chega ao mercado, e quando chega, uma década ou mais se passou.

Beneficiará outros companheiros. É o que esperamos.

Gláucio Soares

IESP-UERJ

Usando o DNA para atacar o câncer da próstata

Talvez a maior esperança baseada em medicamentos para combater o câncer da próstata seja a Prostvac. É uma “vacina” no sentido de que estimula o sistema imune a identificar e atacar as células cancerosas. Está sendo desenvolvida em Kvistgaard na Dinamarca pela Bavarian-Nordic Immunotherapeutics e usa vírus carregados com fragmentos do DNA humano. 

Agora é a o momento de testes tipo Fase III, com muitos pacientes, grupos controle e tudo o mais. Está sendo feito com pacientes avançados, que não respondem mais à terapia (anti)hormonal, nos Estados Unidos, e deverá incluir o Reino Unido e mais dezoito países. Em princípio poderá ser usado em outros tipos de câncer. 

Os quatro genes humanos ajudam os vírus a identificar as células cancerosas, marcando-as, mas deixando as células saudáveis de fora. Esse blog já publicou notícias sobre as pesquisas em Fase II da ProstVac.

Outra “vacina” chamada Provenge já está no mercado e enfrenta dificuldades devido à péssima relação custo/benefício: custa 93 mil dólares e aumenta a esperança mediana de vida em apenas quatro meses. Até agora, os dados Fase II mostram uma ampliação de nove meses de vida.

Saiba mais: http://www.upi.com/Health_News/2012/04/14/Prostate-cancer-treatment-uses-human-DNA/UPI-41861334443743/#ixzz1sCE1CiOb

 

GLÁUCIO SOARES                  IESP/UERJ

 

Uma vacina contra três cânceres

Uma empresa denominada Immunovaccine Inc. está selecionando pacientes para um clinical trial, ainda na Fase I, de uma vacina contra diferentes tipos de câncer (na mama, nos ovários e na próstata) chamada DPX-0907. O objetivo dessa etapa é garantir que a vacina é segura e não causa sérios efeitos colaterais. Outros objetivos incluem averiguar quais as dosagens adequadas e uma espiada inicial na resposta do sistema imune. Ela inclui uma delivery platform, que se refere à maneira pela qual a vacina é aplicada, chamada de DepoVax. São duas coisas diferentes: a plataforma que pode ser ajustada, calibrada e usada por outras vacinas e a vacina em si.

Caso os resultados sejam bons, a empresa tentará registrar e licenciar a plataforma e investigar mais a fundo (com experimentos nas Fases II e III) a vacina.

A DPX-0907 reúne vários antígenos, que são combinados e introduzidos nessa plataforma. Como sempre, o objetivo é matar células cancerosas sem afetar as saudáveis. Usa sete peptídeos antígenos que estão (ou estariam) presentes na membrana das células de cânceres da mama, dos ovários e da próstata. É usada de maneira liofilizada (congelada e seca).

O experimento será feito em lugares diferentes, inicialmente com apenas 24 pacientes com cânceres avançados, mas ainda não com metástases extensas. Não é fácil conseguir ser um desses pacientes, particularmente se o(a) paciente for tratado(a) fora de centros de renome mundial, parte da rede usada pelos pesquisadores.

A utilidade é óbvia. O câncer da mama mata anualmente perto de quarenta mil mulheres somente nos Estados Unidos e o seu tratamento custou mais de oito bilhões de dólares – somente naquele país. O câncer dos ovários é agressivo – com alta taxa de mortalidade porque raramente é descoberto cedo. Mata cerca de 15 mil americanas cada ano e seu tratamento consome outros 2,2 bilhões de dólares. O câncer de próstata é o mais comum entre os homens – um em seis o terá, perto de 200 mil somente nos Estados Unidos e, desses, 13% morrerão da doença naquele país. Em outros países, inclusive desenvolvidos e industrializados, a percentagem dos que morrem é mais elevada.

Para mais informações sobre a plataforma e a vacina, buscar em www.imvaccine.com