FUMAR E O CÂNCER DA PRÓSTATA

As notícias são ruins para os pacientes do câncer da próstata que fumam ou fumaram. Uma pesquisa com pacientes sem metástases visíveis, diagnosticados entre 1992/3 e 2013, mostra que entre os que fumaram antes do diagnóstico tinham um risco relativo 50% maior de morrer do câncer da próstata do que os que não fumaram. Entre os que deixaram de fumar há vinte anos ou mais, a diferença é menor, 29% a mais. Ter parado há muito tempo diminui o risco relativo, mas não o elimina.

E os que continuaram a fumar depois do diagnóstico?!?!

Tem gente que continua fumando, sim. Quando eu me tratava no Cancer Center, do Shands Hospital, sai, muitas vezes, do Center e várias vezes encontrei pessoas fumando na calçada com marcas azuis e amarelas no pescoço e no rosto que indicavam onde os técnicos concentrariam a radiação. Em outros lugares não dava para ver.

Eu nem sempre consegui esconder a minha surpresa. Algumas vezes tinham um olhar de desafio. Nunca entendi a racionalidade desse desafio se tudo o que faziam era aumentar o risco da própria morte.

O aumento desse risco não era negligível: 75% a mais.

Gláucio Soares IESP-UERJ

Anúncios

Químio durante a terapia hormonal?

Minha primeira reação ao receber o diagnóstico do câncer foi a de usar logo todo o arsenal disponível: opera, faz radiação, toma tudo quanto é medicamento, faz químio etc. Depois de ler muito e de conversar com muitos médicos me dei conta de que essa reação, psicológica e humanamente compreensível, precisa ser controlada, contida. Acho que é meu dever de paciente explicar o porquê a outros pacientes.

Uma pesquisa Fase III, conhecida como E3805 CHAARTED Trial, respondeu à pergunta: há vantagens em usar químio (docetaxel) juntamente com a terapia hormonal em pacientes que ainda respondem à essa terapia (hormonal)?

A resposta diz que depende…

Depende de quão séria é a metástase. Nas metástases avançadas, definidas como aquelas que apresentam metástases em uma víscera e/ou quatro ou mais metástases ósseas, com pelo menos uma delas fora da coluna ou dos quadris, vale a pena. É uma definição exigente. Nesse grupo, a mediana da sobrevivência total foi de 51,2 meses com a químio e de 34,4 meses sem a químio, somente com a terapia hormonal. Uma diferença de mais de quase um ano e meio.[i]

E nos demais casos, definidos como tendo metástases menos extensas? É uma mistura heterogênea (na minha leitura, três lesões ósseas não é pouca coisa, mas…).

Esses pacientes, com um volume menor da doença, não se beneficiaram da inclusão da quimioterapia no tratamento.[ii]

O uso do docetaxel (75 mg/m2 com um máximo de seis ciclos) não aumentou significativamente a sobrevivência nesse grupo, mas a aumentou muito no grupo com canceres mais avançados.

Não é uma descoberta a respeito de tratamentos inócuos. A químio é um tratamento pesadíssimo, com muitos efeitos colaterais, que podem danificar o seu corpo. A conclusão a partir desses dados é que incluir a químio em um momento do seu tratamento em que ela não acrescentará nada à sobrevivência seria uma decisão “burra”. Esse trabalho foi e-publicado neste mês e aguarda outras pesquisas para ver se elas confirmam esses resultados. Pode demorar.

Essa é uma conversa entre pacientes e nada mais do que isso. Não somos médicos. Escolha um bom oncólogo e um bom urólogo. Converse com eles e siga suas recomendações.

GLÁUCIO SOARES


[i] (Razão de risco [RR] 0,72; 95% CI, 0,59 a 0,89; P = 0,0018).

[ii] (RR, 1,04; 95% CI, 0,70 a 1,55; P = 0,86).

Bons resultados com a Apalutamida no combate ao câncer da próstata

Há um novo medicamento contra o câncer da próstata, a Apalutamida (ARN-509) sendo testado – até agora com muito sucesso. De acordo com uma pesquisa chamada SPARTAN, a Apalutamida reduz o risco de metástase e de morte em nada menos do que 72%.

Esse medicamento está sendo testado em pacientes que já não respondem aos tratamentos hormonais, mas ainda não há metástases constatadas clinicamente.

Uma comparação mostra que a mediana sem metástase (tempo até a metástase) nessa categoria era de 16,2 meses no grupo placebo e 40,5 meses no grupo apalutamida. Esse grupo recebeu doses diárias de 240 mg de Apalutamida.

Uma diferença muito grande!

Como foi feita essa pesquisa? Com 1.287 pacientes cujo PSA crescia rapidamente, dobrando a cada dez meses ou menos, a despeito da terapia hormonal, mas que não havia metástase detectada pela Tomografia Computarizada ou pelos scans da pélvis, do abdômen, peito e cérebro.

GLÁUCIO SOARES IESP-UERJ


Saiba mais: Small EJ, Saad F, Chowdhury S et al. SPARTAN, a phase 3 double-blind, randomized study of apalutamide (APA) versus placebo (PBO) in patients (pts) with nonmetastatic castration-resistant prostate cancer (nmCRPC). J Clin Oncol 36, 2018 (suppl 6s; abstract 161).

Estatinas e câncer da próstata

Em meados do ano passado, uma pesquisa feita na Dinamarca reacendeu o debate sobre a relação entre as estatinas e o câncer da próstata. A base de dados se refere a quase 32 mil pacientes diagnosticados entre 1998 e 2011, de 35 a 85 anos de idade.

A novidade desta pesquisa é que ela não se refere à capacidade (ou não) das estatinas de prevenir o câncer, mas a se o seu uso depois do diagnóstico afeta o avanço do câncer.

O acompanhamento começou um ano após o diagnóstico e foi relativamente curto, uma mediana de 2,8 anos (o que, não obstante, significa que metade dos pacientes foram acompanhados por mais do que 2,8 anos). Durante esse período morreram 7.365 homens do câncer da próstata e outros 11.811 de outras causas. Como é uma população com maioria de idosos, as mortes por outras causas são numerosas, sejam cancerosos ou não.

E as estatinas? A definição era simples: se houve duas ou mais receitas feitas após o diagnóstico.

Controlaram fatores óbvios como a idade, o ano do diagnóstico, o escore Gleason, o tipo de tratamento e fatores socioeconômicos. Com esses fatores controlados, os que usaram estatinas tinham um risco de morte por câncer da próstata 17% menor do que os não usuários e um risco de morte por toda e qualquer causa 19% menor.

Os dados também revelam o crescimento do uso de estatinas na Dinamarca: entre os diagnosticados de 1998 a 2001, 4% usaram estatinas durante o primeiro ano pós-diagnóstico; entre os diagnosticados depois, entre 2007 e 2011, 29% usaram estatinas.

Converse com seu oncologista ou urologista.

Signe Benzon Larsen, do Danish Cancer Society Research Center, em Copenhagen, e colegas publicaram a pesquisa no Journal of Clinical Oncology.

GLÁUCIO SOARES IESP-UERJ

Aumentando a eficiência dos tratamentos contra o câncer

Algumas combinações de medicamentos contra o câncer da próstata são bem mais eficientes do que cada medicamento isoladamente.

Algumas, mas não todas. Há casos de resistências cruzadas, nos que a resistência que as células cancerosas adquiriram em relação a um medicamento se aplica, em maior ou menor extensão, a outro ou outros medicamentos.

Uma combinação que tem produzido alguns resultados usa a químio e a radiação em uma faixa definida da onda para ativar terapias chamadas de foto térmicas (minha tradução de photothermal) e foto dinâmicas (minha tradução de photodynamic). São abreviadas como PTT/PDT. Porém, vários medicamentos esbarram em suas propriedades (ou ausência delas), como não serem solúveis em agua, e serem eliminadas rapidamente pelo nosso corpo.

Por isso, pesquisadores buscam, também, tratamentos auxiliares que aumentam a eficácia dos tratamentos primários. Tal parece ser o caso de envolver os medicamentos em albumina – que é uma proteína abundante no plasma sanguíneo.

É o que pesquisadores da Medical School of Nanjing University, na China, estao fazendo. “Embrulham” o PTT/PDT, o docetaxel (químio) e o contraste infra-vermelho (IR780). No meu primitivismo de paciente, gostei de saber que os agentes chamados PPT matam as células cancerosas através do calor; eles são ativados por lasers, atingindo temperaturas mais altas do que a resistência das células. A ideia de fritar ou de escaldar as células cancerosas me agrada imensamente… ainda que não seja exatamente isso o que acontece.

Trabalhando com camundongos, os pesquisadores analisaram as imagens, constatando que, em 48 horas as nanopartículas que desenvolveram se concentraram na região onde está o tumor. Concentrando a radiação nessas áreas, os pesquisadores perceberam que conseguiram estancar o crescimento dos tumores – um resultado que não foi alcançado usando docetaxel ou o PPT isoladamente.

Cresce a pesquisa chinesa.

Bem-vinda!


GLÁUCIO SOARES IESP-UERJ


Saiba mais: “Self-assembled albumin nanoparticles for combination therapy in prostate cancer,” no International Journal of Nanomedicine.

Câncer avançado: terapias combinadas?

Nicholas J. Vogelzang, em artigo recente, trata de casos de câncer da próstata que são diagnosticados quando o câncer já está adiantado, apresentado metástases. Segundo Vogelzang, esses casos correspondem a 3% do total de diagnosticados nos Estados Unidos. Desde a revolução do PSA foi possível identificar canceres assintomáticos e começar tratamentos meses, até mesmo anos, antes do primeiro sintoma percebido como tal pelo paciente.

Até poucos anos atrás, esses pacientes adiantados recebiam tratamento hormonal. A químio só começava quando o tratamento hormonal já não impedia o avanço do câncer.

As coisas começaram a mudar com uma pesquisa chamada CHAARTED (E3805) que mostrou que a sobrevivência total (incluído todas as causas de morte) podia ser aumentada de 13,6 meses, na mediana, se a químio (docetaxel) fosse adicionada ao tratamento hormonal (ADT).

Voskoboynik e outros pesquisadores lembram que um ganho de dois ou três meses na sobrevivência era considerado o bastante para mudar de um tratamento padrão para outro.

Agora é diferente, melhor. Há mais opções e os ganhos são maiores.

Outra pesquisa, chamada STAMPEDE, demonstrou um ganho de 15 meses na sobrevivência de vida (incluindo todas as causas de morte) se homens que ainda respondiam ao tratamento hormonal recebessem também docetaxel (químio).

Claro, uma das preocupações de médicos e pacientes informados era com os efeitos colaterais dos dois medicamentos.

Este ano, na reunião anual da ASCO, foram apresentados mais dados da pesquisa/experimento chamada LATITUDE, que mostraram que o ADT MAIS acetato de abiraterona, (nome comercial Zytiga), medicamento mais recente, parecia dar melhores resultados do que a combinação ADT+Docetaxel. Reduzia o risco de morte em 37% e cortava pela metade o risco de complicações serias nos ossos. Muito importante, aumentava bastante o tempo até o novo avanço do câncer. Isso no caso de pacientes recém-diagnosticados com canceres locais avançados ou já com metástases.

A abiraterona não está sozinha nesse espaço terapêutico. Ela tem competidoras como a enzalutamida, (nome comercial Xtandi), cujos fabricantes não ficaram atrás e já apresentaram dados mostrando que o tratamento combinado ADT+Xtandi também produz benefícios consideráveis.

São boas notícias e muitos médicos já estão mudando suas recomendações.

Converse com seu oncologista. Lembre-se de que esse é um site de/por/para pacientes e nada mais. Não tome nenhuma decisão sem consultar pessoalmente o seu médico.

GLÁUCIO SOARES IESP-UERJ

Nova “vacina” contra o câncer da próstata

Uma nova pequena pesquisa reacende a esperança de aumentar o arsenal à nossa disposição para enfrentar o câncer da próstata. Porém, não será em breve.

É uma “vacina” nova. Visa fortalecer e direcionar melhor a resposta do nosso sistema imune contra as células cancerosas.

A vacina conteve o avanço do tumor em 77% dos pacientes (três em cada quatro). Do total, 45% tiveram uma redução do tumor.

Porém, a amostra é muito pequena: 22 pacientes.

No fim do experimento, 17 dos 22 pacientes conseguiram estabilizar o câncer. Três em quatro, repetindo.

Muitos medicamentos são propostos, um número menor chega a ser testado e um número bem menor é aprovado e chega ao mercado, e quando chega, uma década ou mais se passou.

Beneficiará outros companheiros. É o que esperamos.

Gláucio Soares

IESP-UERJ