Melhorias no diagnóstico do câncer da próstata

Creio que há diferenças marcantes entre culturas no que concerne o tipo de tratamento que os homens de um país preferem para o câncer da próstata. Em muitos países, conscientes dos efeitos colaterais de muitos tratamentos, muitos homens optam pelo que chamam de “Active Surveillance”, que é um acompanhamento minucioso até que um tratamento mais invasivo seja necessário, se chegar a esse ponto. Os tratamentos mais invasivos mais comuns são cirurgia, radiação, implantes radioativos, ou crioterapia (há outros). Até agora, a opção do acompanhamento é usada em pacientes com um Gleason não maior.

A visualização dos tumores evoluiu muito e começa a ser utilizada no início, para reduzir as chances de erro deixadas pelo PSA e pelo toque retal. O ultra-som Doppler e o MRI são duas técnicas de visualização.

Os especialistas que consultei (li) sugerem que o paciente mais indicado para esse acompanhamento tem um Gleason 6, PSA menor do que 10 e um estágio clínico T2a. Mas há falsos negativos e falsos positivos e esses avanços na visualização reduzem o erro no diagnóstico.

 

GLÁUCIO SOARES         IESP/UERJ  

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s