Reduzindo os erros no diagnóstico do câncer da próstata

Novas pesquisas feitas em duas instituições, NewYork-Presbyterian Hospital/Weill Cornell Medical Center, mostram que é possível melhorar os testes de PSA, reduzindo os seus erros, através da combinação com um medicamento. O que a combinação permite é reduzir os falsos negativos, identificando cânceres que antes escapavam à detecção. O Pesquisador Responsável, Dr. Steven A. Kaplan, afirma que é possível melhorar os testes usando-os em  conjunção com outras drogas. Essa combinação é útil especialmente nos casos em que o PSA é elevado, mas foram feitas biópsias sem encontrar o câncer. A biópsia permite falsos negativos porque não recolhe amostras de tecido de certas áreas “ocultas”. Ou seja, o câncer existe, mas a biópsia não traz tecido canceroso para o microscópio. Eu, pessoalmente, fiz duas baterias – uma com quatro agulhas e outra com seis que não revelaram câncer, mas havia câncer. A prática, usada posteriormente, de fazer biópsias “de saturação”, com muitas agulhas e guiadas por instrumentos visuais como o ultra-som, reduziu muito os falsos negativos, mas não os eliminou. 

Além disso, há conclusões baseadas em PSAs elevados que são falsas – falsos positivos – porque o PSA aumenta com outras doenças, como inflamação e/ou aumento do tamanho da próstata. É preciso controlar a inflamação e diminuir o tamanho da próstata para obter melhores resultados. Os pesquisadores concluíram que analisar os níveis de PSA depois de usar dois medicamentos que inibem 5-alfa-reductase (finasterida and dutasterida), que reduzem o tamanho da próstata produziam melhores resultados: se o PSA permanecia igual ou aumentava depois que a próstata encolhia, o risco de que houvesse câncer era grande. 

Que pacientes foram estudados? Um total de 276 homens, com PSA acima de 4, mas com toque retal normal, e duas ou mais biópsias negativas. 

Eliminar falsos positivos significa reduzir sofrimento, possibilidade de infecções e mais, causadas por biópsias, além de reduzir os custos; reduzir os falsos negativos, potencialmente, salva vidas.

São boas notícias para as pessoas que estão passando pela provação dos primeiros exames necessários para o diagnóstico.

 

Leia mais: http://medicalxpress.com/news/2012-08-doctors-hard-to-diagnose-prostate-cancer.html#jCp  e

http://www.dnainfo.com/new-york/20120809/upper-east-side/weill-cornell-researchers-develop-new-prostate-cancer-screening-method#ixzz23BQOgw1p

 

Gláucio Soares                                                    IESP-UERJ

 

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s