OS ASPECTOS COGNITIVOS E DE SAÚDE MENTAL DOS SOBREVIVENTES DE DERRAMES E AVC’S SÃO POUCO ESTUDADOS

Na opinião dos que estudam derrames, é muito importante estudar as sequelas dos pacientes que sobrevivem a um derrame, um AVC, sobretudo as cognitivas e as que se relacionam com a saúde mental. São preocupações que vão além do funcionamento adequado do sistema cardiovascular e se relacionam com a qualidade de vida dos sobreviventes. Essas preocupações também estão presentes nos testes clínicos dos medicamentos. Afinal, o objetivo do tratamento não é apenas manter o paciente vivo, mas mantê-lo funcional e feliz. Os problemas cognitivos e mentais afligem muitos pacientes que sobreviveram aos derrames.
Como pesquisar essas características. O que fazem os pesquisadores?
Dois deles codificaram os artigos de revistas científicas prestigiosas com um alto fator de impacto (impact fator), cujos artigos são muito citados. Buscaram quatro dedicados à medicina em geral, três à gerontologia e à reabilitação, quatro à neurologia, outros quatro à psiquiatria, mais quatro à psicologia e três aos derrames. A escolha das revistas é importante porque cada especialidade tem suas próprias preferências. O período coberto vai de janeiro de 2000 a outubro de 2011.Foram examinados somente os artigos que tratavam desses dois tipos de sequelas. 
Apenas 6% dos 8.826 artigos tratavam de aspectos cognitivos ou relacionados à saúde mental dos pacientes. Desses, 83% tratavam dos aspectos cognitivos e 51% da saúde mental. 
A necessidade de padronizar as pesquisas para torná-las comparáveis fez com que muitos usassem as mesmas medidas. Uma escala da capacidade cognitiva, chamada de Folstein’s Mini-Mental State Examination foi usada em 37% desse subconjunto de artigos e os problemas mentais se concentraram na depressão, muito comum entre pessoas que sofreram derrames e outros problemas cardiovasculares. Há pouca padronização também nessa área – apenas 9% usaram o mesmo instrumento, chamado de Hamilton Rating Scale of Depression.
A conclusão, triste, é que a grande maioria dos artigos sobre depressão não tratam dos problemas cognitivos e mentais que, com frequência, afetam os pacientes que sobreviveram um derrame.
Fonte: Comments and Opinions and Research Letters to Brief Reports
Cognitive and Mood Assessment in Stroke Research Focused Review of Contemporary Studies
Rosalind Lees, Patricia Fearon; Jennifer K. Harrison; Niall M. Broomfield e Terence J. Quinn.
GLÁUCIO SOARES             IESP/UERJ
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s