De quanta vitamina D precisamos

As vitaminas, assim como muitos medicamentos, colocam três indagações muito importantes que tem a ver com a dosagem:

A maioria segue uma curva: menos do que deve ter (ou tomar); o que deve ter (ou tomar) e mais do que deve ter (ou tomar). Um exemplo é o selênio. Dados epidemiológicos mostram que homens que vivem em áreas com pouco selênio no solo apresentam taxas mais altas de câncer na próstata; a correção de deficiências na quantidade de selênio que temos no corpo parece ajudar a reduzir o risco do mesmo câncer; o excesso de selênio, ao contrário, pode ser prejudicial e facilitar a expansão dos cânceres mais agressivos e uma dose cavalar de selênio mata, como nos lembra o triste caso do fazendeiro da Nova Zelândia que descobriu que tinha câncer. Leu a respeito da correlação espacial (epidemiológica) entre selênio e câncer da próstata e ingeriu grandes quantidades. Morreu, porque o selênio é um veneno.  A coagulação do sangue tem um ponto ótimo (de fato, um intervalo: de xxx até yyy); quando leva muito tempo para coagular, os remédios anticoagulantes podem ser mortais; quando coagula rápido demais, precisamos de anticoagulantes.

A segunda tem que ver com os problemas que algo que ingerimos (de uma forma ou de outra) podem causar – os efeitos colaterais – e os benefícios que o mesmo alimento ou medicamento nos trazem e para quê. A maioria dos medicamentos é indicada para o tratamento de doenças especificas, mas não de outras.

Finalmente, a terceira tem a ver com a variação entre pessoas e a crescente compreensão de que a medicina tem que ser personalizada. Os pacientes não são iguais. E é preciso ajustar a dosagem a essas peculiaridades, entre elas o peso do paciente e outras morbidades ou doenças que tenha.

E a vitamina D? Um artigo publicado hoje em Medpage Today nos fala das dificuldades em definir a dose adequada. Deficiências sérias de vitamina D foram relacionadas à maior propensão à tuberculose, inflamações na espinha, doenças pulmonares crônicas, degeneração macular e muito mais.

Do lado negativo, as esperanças de que tomando altas doses de vitamina D ajudaria a combater a esclerose múltipla foram para o brejo, assim como as que ajudariam os pacientes com doenças crônicas nos rins.

Qual o problema? Muitos benefícios da vitamina D foram baseados em dados insuficientes e pesquisas mal-feitas. De uma pequena associação estatística saltaram para grandes conclusões salvadoras.

Alguns estudos apresentados durante a conferência da American Heart Association sugeriram que a insuficiência da vitamina D e algumas doenças cardíacas estavam associadas. Mas são pesquisas pequenas, Fase I e II. Faltaram as pesquisas grandes, Fase III, com grupo controle e tudo o mais, que demonstrassem que reduzindo a deficiência na vitamina D reduziria o risco de doenças cardíacas.

Há uma pesquisa em andamento que pode ajudar, a VITAL, com vinte mil pessoas. Pretende ver se suplementos de Omega-3 e de vitamina D reduzem o risco de câncer e de doenças cardiovasculares. Considerando o grande número de pesquisas pequenas e com deficiências, essa pesquisa clínica chega atrasada. Deveria ter sido feita há alguns anos.  

Uma boa pesquisa controla o efeito de outras variáveis. Há uma série de variáveis associadas com baixos níveis de vitamina D que também afetam muitas doenças. Por exemplo: a principal fonte de vitamina D é a exposição ao sol. Varia com o tempo de exposição e a área exposta[1]. Porém, as pessoas que se exercitam e que não têm uma vida sedentária também têm maior exposição ao sol: obesidade, falta de exercício e alimentação gordurosa, rica em carnes vermelhas etc. é são fatores que aumentam o risco de várias doenças e reduzem a chance de cura. O efeito dos níveis mais altos de vitamina D pode ser devido ao exercício, nutrição adequada etc. Por isso, necessitamos de pesquisa Fase III, que incluam todos os fatores relevantes conhecidos.

Mas há benefícios inegáveis, particularmente no que concerne os ossos, cuja saúde é protegida pela vitamina D. Há alguns dados que demonstram que suplementos com vitamina D aumentam a sobrevivência de vida de mulheres idosas.

De quanta vitamina D precisamos? As estimativas mais baixas são do Institute of Medicine (IOM): pelo menos 25 nanogramas por mililitro de serum sanguíneo, que equivale a umas 600 unidades internacionais (IU) por dia; depois dos 70, é necessário aumentar para 800 unidades diárias.

Nem todos concordam. O Dr. Charles “Snuffy” Meyers recomenda níveis muito mais altos para seus pacientes de câncer da próstata: cinco mil unidades diárias.

Realmente, ficamos sabendo pouco.

 

GLÁUCIO SOARES                         IESP-UERJ

 

 

 

 




[1] Não esqueçam que a exposição excessiva ao sol, sobretudo no verão e em horas mais próximas do meio dia aumentam o risco de cânceres da pele, inclusive do melanoma, que se não for bem tratado é letal.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s