Doentes mentais: criminosos ou vítimas?

As pessoas com alguns tipos de doenças mentais cometem mais crimes do que as que não padecem dessas mesmas doenças. Essa é uma relação provada e demonstrada em Criminologia através de pesquisas feitas em diferentes países. Não obstante, pesquisa recente dirigida por Brent Teasdale, professor na Georgia State University, produziu novas informações: as doenças mentais aumentam mais o risco do paciente de se tornar vítima de um crime do que de cometer um crime.

Teasdale foge dos rótulos mais ambiciosos das doenças mentais e se concentra em comportamentos e sintomas mais específicos. Pacientes que sofrem de alucinações, por exemplo, são vítimas preferenciais de crimes, o mesmo passando com pacientes com delírios. O risco de vitimização é multiplicado quando o paciente está drogado ou alcoolizado, ou não possui residência. Contudo, morar ou não na rua é uma variável associada com a vitimização de direito próprio. Os moradores de rua são vitimas de crimes com muito mais freqüência do que os que tem um “ponto”, um lugar onde dormir. Essa é uma relação que se explica por várias teorias, inclusive a dos encontros, a de atividades de rotina e a de oportunidades. Os moradores de rua passam mais tempo expostos a agentes do crime do que os demais, que ou têm residência fixa ou dispõem de um ou mais “pontos” onde passar a noite e/ou parte do dia. Os momentos em que um morador de rua passa num ponto protegido reduzem o risco de crime. Essa redução é de particular importância à noite, como previsto pela Teoria dos Encontros. Essa teoria propõe que nas sociedades modernas o risco de um encontro com um criminoso é mais alto à noite. Para evitar esses encontros, é mais importante ter onde ficar à noite do que ter onde ficar durante o dia.

Teasdale quantificou o risco. Os doentes mentais que experimentam delírios têm o dobro do risco de vitimização do que os que não os experimentam. A população tem receio dos doentes mentais, particularmente se esses apresentarem sintomas como delírios e alucinações. De fato, as doenças mentais aumentam a probabilidade de cometer um crime, violento ou não. E, entre os doentes mentais, os que apresentam delírios e alucinações cometem mais crimes do que os que não apresentam esses sintomas. Essas relações são verdadeiras, mas provocaram um medo generalizado e um estigma.

O estigma pode aumentar a violência preventiva contra doentes mentais. Creio que, na maior parte dos casos, as pessoas tomam medidas e ações evasivas e algumas cometem violências verbais, mas algumas cometem violências físicas que, hipotetizo, não seriam cometidas se as vítimas fossem pessoas “normais”.

Os doentes mentais, nos momentos da doença, podem estar confusos e voltados para dentro, distorcendo suas percepções do ambiente que os circunda. Percebem pouco e avaliam pior. Nas explosões de delírios e alucinações as pessoas encarregadas, inclusive voluntariamente, de cuidar dos pacientes podem fugir dos pacientes e da sua responsabilidade, deixando-os à mercê dos encontros negativos. Não é fácil lidar com delírios e alucinações.

Os resultados sugerem algumas medidas preventivas. Parentes e amigos de pacientes mentais, em geral, devem ser alertados a respeito da maior vulnerabilidade deles, em particular dos que apresentam delírios e alucinações. Nos paises em que predomina a “lei de Gerson” e o limiar da responsabilidade é baixo, esse abandono talvez seja mais freqüente e os riscos para o paciente muito mais elevados.

As conclusões de Teasdale foram baseadas numa pesquisa chamada de MacArthur Violence Risk Assessment Study, que acompanhou durante um ano pacientes que tiveram alta de hospitais psiquiátricos.

GLÁUCIO ARY DILLON SOARES      IESP-UERJ

Se quiser saber mais sobre segurança pública, crimes e violência, visite os seguintes blogs:

http://conjunturacriminal.blogspot.com/

http://conjunturacriminal.wordpress.com/

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s