O alcoolismo das mães e a Síndrome Fetal Alcoólica

Em outros posters conversamos sobre o alcoolismo de algumas pessoas como um suicídio lento. Mas o alcoolismo também traz sérias conseqüências para os fetos, razão adicional e muito forte para parar.
Há três décadas que foi criada a expressão “fetal alcohol syndrome” (FAS), que se refere um padrão definido de problemas que afligem crianças cujas mães beberam álcool durante a gravidez. São muitos os problemas de ordem neurológica e comportamental que afetam as crianças e que as perseguem durante toda a vida, provocando um péssimo desempenho na escola.
Em alguns lugares a incidência e a prevalência desses problemas são muito grandes. Uma pesquisa com 992 crianças da primeira série numa comunidade da África do Sul demonstrou a existência de FAS em mais de 4% das que tinham entre 5 e 9 anos. As estimativas dependem da metodologia empregada. Em um condado no Estado de Washington, o cálculo “ativo” foi de 3,1 por mil, ao passo que os cálculos passivos variaram de 0,33 a 3 por mil. O cálculo passivo é inviável no Brasil: ele se baseia nos dados médicos existentes, usualmente coletados no parto. Mesmo onde eles são bons, muitos problemas só surgem mais tarde, não sendo visíveis ao nascer. O método ativo faz um survey da população-alvo e baseia os cálculos neles.
Há várias categorias de problemas: há deficiências cognitivas e comportamentais específicas, típicas de crianças com mães que beberam durante a gravidez.
A primeira trata de problemas na aprendizagem verbal. As crianças com FAS aprendem um número menor de palavras, mas não as esquecem com freqüência maior. Isso significa que a deficiência aparece na etapa de codificação da memória e diferencia crianças com FAS das crianças com a Síndrome de Down que tem tanto a aprendizagem quanto a memória prejudicadas.
Mas não é só. A aprendizagem espacial e visual também é afetada. Conseguem lembrar um número menor de objetos retirados da mesa em frente. A atenção é afetada. Coles e associados contribuíram para evitar uma confusão com crianças hiper-ativas com desordem de atenção. Essas crianças apresentam dificuldades em focalizar e manter a atenção, bem diferente das crianças com mães que beberam na gestação, que tem dificuldade em mudar o foco da atenção. Podem, sim, colocar atenção em A, mas apresentam dificuldade em mudar para B.
Uma das heranças malditas que mães que bebem deixam em seus filhos é a lentidão. O tempo para reagir e resolver problemas é maior. Crianças com FAS processam informação mais vagarosamente e de maneira menos eficiente. Jacobson e associados descobriram esses problemas em crianças muito pequenas, de seis meses, medidos através dos movimentos dos olhos quando novos estímulos eram apresentados.
As funções que requerem pensamento abstrato, planejamento e organização são muito prejudicadas. Por exemplo: as crianças tem dificuldade em passar de dar nomes a animais para objetos de mobiliário e, outra vez, para animais. Essas crianças desenvolvem uma incapacidade de mudar de estratégias para resolver problemas: voltam a tentar da mesma maneira que fracassou antes.

Neurofisiólogos estudam, também, a estrutura do cérebro. Parte da herança maldita é a redução no tamanho do cérebro, particularmente de algumas áreas. Uma delas é chamada de basal ganglia que, quando danificada, dificulta a memória espacial e a mudança entre conjuntos tanto em animais quanto em pessoas.

Outra área reduzida é o cerebelo que parece operar parte do equilíbrio, da coordenação e da cognição.

O corpus callosum parece ligar a metade esquerda com a direita do cérebro: nada menos de 7% das crianças com mães que beberam durante a gravidez nascem sem ele. É uma percentagem vinte vezes maior do que a encontrada na população como um todo. Para ver imagens do corpus callosum clique aqui e aqui.

Há muitas razões para parar de beber. As principais delas são os filhos.

O que tem isso que ver com o crime?
É só ver as estatísticas a respeito do número de criminosos cuja mãe era alcoólatra.

Para estudos e notícias sobre a relação entre alcoolismo e suicídios, clique nos seguintes pôsteres:
A legalização das drogas e o aumento dos suicídios em Portugal
O bom funcionamento do nosso cérebro
O alcoolismo das mães e a Síndrome Fetal Alcoólica
Consumo de álcool e Suicídio em Portugal
http://suicidiopesquisaeprevencao.blogspot.com/2006/12/consumo-de-lcool-e-suicdio-em-portugal.html
Um testemunho
A redução dos suicídios em Bogotá

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s