VEGETAIS AJUDAM A CONTROLAR O CÂNCER

Nova pesquisa demonstra que o consumo de vegetais é benéfico e ajuda no combate ao câncer da próstata.

Ajuda como?

Reduz a velocidade do avanço do câncer e ajuda a impedir a metástase.

Desta vez, a pesquisa foi feita na Universidade da Califórnia em San Diego. Os resultados da pesquisa indicam que os pacientes que comem mais vegetais diariamente são os que têm a taxa de crescimento do câncer mais baixa. A correlação é alta. Uma dieta com muitos e variados vegetais e frutas, sobretudo aqueles que tiveram seu efeito comprovado através de pesquisas, como o brócolis e a romã entre muitos, pode impedir o avanço do câncer e a metástase por muito tempo.

Esses são resultados preliminares, pois a pesquisa ainda está em andamento, mas há um grande número de pesquisas anteriores de diversos tipos cujos resultados são semelhantes.

GLÁUCIO SOARES

Carta de paciente que seguiu tratamento não-convencional

Caro Glaucio:
Obrigado pelo retorno. Quanto à minha história, é a seguinte: Quando o câncer foi diagnosticado, eu estava com um PSA de 70,3, em 2.005; não sabia direito o significado disso, mas, dei início a um tratamento não convencional, à base de aveloz, que é uma planta poderosíssima, muito conhecida no agreste e no cerrado; além disso, procurei um médico não-convencional, que me indicou vários metais, para reforçar as células boas; fiz, também, à época, aplicações de calor com rádio freqüência e meu PSA chegou a 49; talvez porque suspendi o aveloz, naquele período, meu PSA voltou a subir para 53; fiquei meio desesperado e procurei um cirurgião, com a intenção de retirar a glândula, mas fui informado que isso não mais seria possível, porquanto esse procedimento somente se utiliza com PSA inferior a 10; esse mesmo cirurgião – médico alopata – me prescreveu a injeção de controle hormonal, que reduziu meu PSA a 5,9; como não me conformei com o fato de ficar castrado sexualmente naquele período, tomei a decisão de não tomar mais injeções; depois disso, percebi e acatei recomendações de terapêutas holísticos no sentido de evitar alimentos que produzem a testosterona, principalmente a carne vermelha, os açúcares e o leite de vaca; além disso, passei a levar a sério – novamente, o aveloz – e o uso do sabal serrulata, também chamado de saw palmetto, ambos derivados do abacate e da abóbora; também adquiri o sitosterol, via EUA, que tomo toda noite, além de melatonina; meu último PSA medido em fevereiro, foi de 43,5, quando então acusava sintomas mais agressivos da doença, com pequenas dores nos ossos dos membros inferiores, dores dos testítulos após relações sexuais, todos preocupantes; nos últimos meses passei a utilizar um tratamento que jamais fui capaz de imaginar, no passado, qual seja, a aplicação de cataplasmas de ARGILA, na região da próstata, do ânus e das pernas, quando tenho qualquer dor; é incrível o efeito da ARGILA, além de barato, embora exija paciência e perseverança.
Gláucio, nem sei o meu PSA atual, mas francamente, não estou nem um pouquinho preocupado com ele, tamanha é a minha convicção de que consegui identificar as maneiras de monitorar essa doença, deixando de alimentá-la com testerona excessiva e aplicando a argila quando sinto alguma dorzinha. A dor nos testítulos desapareceu e já cheguei a ter duas relações sexuais por semana – de bom calibre, inclusive – sem sentir aquelas dores que me impediam até andar direito, no dia seguinte.
Sei que a cura completa é uma quimera, mas o simples controle da doença COM QUALIDADE DE VIDA é uma vitória, sem dúvida.
Tanto o saw palmetto como o sistoterol ajudam a (des)conversão da testosterona produzida pelo organismo, de modo a não alimentar o câncer. Os efeitos residuais da testosterona produzida eu estou combatendo com a argila. Acho que, nessa “toada” poderei conduzir a minha vida por muito tempo. Espero não estar enganado e, por favor, Gláucio, no seu caso pessoal, leve isso a sério e depois me diga o resultado, combinado?
A alimentação correta é básica, pois os efeitos de um bife de bovino são claramente observáveis, após a digestão, de modo que insistir nisso é nadar contra a correnteza.
Até breve.
Joel

Vamos torcer pelo Joel, que segue um curso diferente do que sigo. Sublinho que, caso aconteça com algum leitor encontrar um cirurgião que afirma ser desnecessária a cirurgia se o PSA fôr superior a 10, busque outro – um urólogo/oncólogo – para uma segunda opinião.